Dia Internacional das Mulheres: para que serve?Quando é? É uma celebração ou um protesto? E quais eventos virtuais acontecerão este ano?

Há mais de um século, as pessoas em todo o mundo marcam o dia 8 de março como um dia especial para as mulheres.

O Dia Internacional da Mulher, também conhecido como IWD, surgiu do movimento trabalhista para se tornar um evento anual reconhecido pela Organização das Nações Unidas (ONU).

As sementes foram plantadas em 1908, quando 15.000 mulheres marcharam pela cidade de Nova York exigindo menos horas de trabalho, melhores salários e o direito de voto. Foi o Partido Socialista da América que declarou o primeiro Dia Nacional da Mulher, um ano depois.

A ideia de internacionalizar o dia partiu de uma mulher chamada Clara Zetkin. Ela sugeriu a ideia em 1910 em uma Conferência Internacional de Mulheres Trabalhadoras em Copenhague. Estavam presentes 100 mulheres, de 17 países, e elas concordaram com sua sugestão por unanimidade.

Foi celebrado pela primeira vez em 1911, na Áustria, Dinamarca, Alemanha e Suíça. O centenário foi comemorado em 2011, então este ano estamos tecnicamente comemorando o 110º Dia Internacional da Mulher.

As coisas foram oficializadas em 1975, quando as Nações Unidas começaram a comemorar o dia. O primeiro tema adotado pela ONU (em 1996) foi “Celebrando o passado, Planejando o Futuro”.

O Dia Internacional da Mulher se tornou uma data para comemorar o quão longe as mulheres chegaram na sociedade, na política e na economia, enquanto as raízes políticas do dia significam greves e protestos são organizados para aumentar a consciência sobre a desigualdade contínua.

E existe um Dia Internacional do Homem?

De fato, em 19 de novembro. Mas só foi marcado a partir dos anos 1990 e não é reconhecido pela ONU. As pessoas o celebram em mais de 80 países em todo o mundo, incluindo o Reino Unido. No Brasil, a data é 15 de julho e foi proposta pela Ordem Nacional dos Escritores em 1992.

O dia celebra “o valor positivo que os homens trazem para o mundo, suas famílias e comunidades”, destacando modelos positivos e aumentando a conscientização sobre o bem-estar do homem”. O tema para 2020 foi “Melhor saúde para homens e meninos”.

O Dia Internacional da Mulher é um feriado nacional em muitos países, incluindo a Rússia, onde a venda de flores dobra durante os três ou quatro dias em torno de 8 de março.

Na China, muitas mulheres têm meio dia de folga no trabalho em 8 de março, conforme aconselhado pelo Conselho de Estado, embora muitos empregadores nem sempre passem esse meio dia para suas empregadas.

Na Itália, o Dia Internacional da Mulher, ou la Festa della Donna, é comemorado com a entrega de flores de mimosa. A origem desta tradição não é clara, mas acredita-se que tenha começado em Roma após a Segunda Guerra Mundial.

Nos EUA, o mês de março é o mês da história da mulher. Uma proclamação presidencial emitida todos os anos homenageia as conquistas das mulheres americanas.

Este ano será um pouco diferente por causa do coronavírus e mais eventos virtuais são esperados em todo o mundo.

A ONU anunciou seu tema para 2021 como “Mulheres na liderança: Alcançando um futuro igual em um mundo Covid-19”.

A Diretora Executiva da ONU Mulheres, Phumzile Mlambo-Ngcuka, disse: “Precisamos de uma representação feminina que reflita todas as mulheres e meninas em toda a sua diversidade e habilidades, e em todas as situações culturais, sociais, econômicas e políticas. Esta é a única maneira de conseguirmos uma verdadeira sociedade mudança que incorpora as mulheres na tomada de decisões como iguais e beneficia a todos nós.

E porque precisamos disso?

A paridade de gênero não será alcançada por quase um século “, de acordo com a campanha do IWD, referindo-se ao Fórum Econômico Mundial, diz” nenhum de nós verá a paridade de gênero em nossas vidas, e nem provavelmente muitos de nossos filhos “.

Recentemente, também foi um período muito difícil, com dados da ONU Mulheres revelando que a pandemia do coronavírus poderia acabar com 25 anos de aumento da igualdade de gênero. As mulheres estão fazendo muito mais tarefas domésticas e cuidados com a família por causa da pandemia, o que, por sua vez, pode impactar as oportunidades de emprego e educação.

Inúmeros estudos comprovam que ainda hoje as mulheres sofrem com a desigualdade no mercado de trabalho em relação aos homens. A presença das mulheres no mercado de trabalho ainda é menor do que a dos homens, uma vez que dados de 2018 apontam que, no mundo, apenas 48% das mulheres maiores de 15 anos estão empregadas – para os homens, esse número é de 75%|1|.

Atualmente, menos de 70% dos homens concordam com o fato de que muitas mulheres preferem trabalhar a ficar em casa cuidando de serviços domésticos.

Para agravar essa situação, metade das mulheres que engravidam perdem seus empregos quando retornam da licença-maternidade|3| e ainda, em pleno século XXI, existem aqueles que defendem que mulheres devem ganhar menos, simplesmente por poderem engravidar.

O 8 de março é um dia para reflexão a respeito de toda a desigualdade e a violência que as mulheres sofrem no Brasil e no mundo. É um momento para combater o silenciamento que existe e que normaliza a desigualdade e as violências sofridas pelas mulheres, além de ser um momento para repensar atitudes e tentar construir uma sociedade sem desigualdade e preconceito de gênero.

Dra Raquel Vale. Graduada em Fisioterapia pela Univali – Universidade do Vale do Itajaí-SC (2004). Pós Graduação “Lato Sensu”- Especialização em Fisioterapia Dermatofuncional pela Faculdade CBES de Curitiba-PR (2009).Graduanda em Biomedicina – Uniavan Balneário Camboriú – SC (2019).

“Feliz mês da história negra! Não sou afro-americana, mas sou uma orgulhosa mulher negra e entendo as lutas que os negros passaram e ainda precisam passar para que estejamos onde estamos hoje.” Relata a Miss Universo 2019 no seu perfil do Instagram @zozitinzi

Mulher natural, que resolveu mostrar seu rosto, sem cabelos cheios, ondulados, grandes e sensuais.

Com lábios naturalmente e etnicamente grossos. Com postura reta ela mostrou força e conhecimento. 💋

Foi assim que Zozibini Tunzi, da África do Sul, foi coroada Miss Universo 2019. É apenas a quarta negra a receber tal título. 👑

Seus discursos empoderados deixaram todo mundo emocionado!

“A sociedade foi programada durante muito tempo para não enxergar a beleza das mulheres negras. Mas agora estamos entrando em um tempo em que finalmente as mulheres como eu podem saber que são bonitas”.

Completou sua fala dizendo: “Mas, não é só isso. É sobre continuar a quebrar barreiras. Esse é um movimento de mudança muito bonito e eu fico muito feliz em fazer parte dele.”

A história do Mês Negro começa em 1915, meio século após a Terceira Emenda, que aboliu a escravatura nos Estados Unidos.

Hoje no ano de 2020, há exatos 105 anos da data citada acima, parece ser inacreditável, que ainda tenhamos que falar de inclusão, preconceito e diversidade. 😢

Evoluímos claro, mas ao meu parecer evoluímos muito pouco! 👎🏼

Com isso, espero que todos nós, possamos aproveitar cada parte deste mês para refletir e valorizar o que realmente importa! E que isso se estenda além dos 29 dias do mês de fevereiro! 🔛

Dra Raquel Vale- Graduada em Fisioterapia pela Univali – Universidade do Vale do Itajaí-SC (2004). Pós Graduação “Lato Sensu”- Especialização em Fisioterapia Dermatofuncional pela Faculdade CBES de Curitiba-PR  (2009). Graduanda em Biomedicina – Uniavan Balneário Camboriú – SC (2019).

valorize suas curvas!

Quem já se deparou com esta imagem e esses dizeres nas redes sociais?

Uma indicação indireta às curvas femininas e uma crítica a essa vaidade, decretando que o correto é valorizar as curvas do “estudo” e do “pensar”?

Mas será que é preciso escolher entre as curvas do cérebro e as dos quadris?

A Organização Mundial de Saúde (OMS) define saúde como “um estado de completo bem-estar físico, mental e social.

Em pleno século vinte e um, já deveríamos ter entendido que podemos cuidar das curvas do corpo sem reduzir às do cérebro!

Então não precisamos escolher, afinal somos seres pensantes, e conseguimos fazer várias coisas ao mesmo tempo!

 

Dra Raquel Vale- Graduada em Fisioterapia pela Univali – Universidade do Vale do Itajaí-SC (2004). Pós Graduação “Lato Sensu”- Especialização em Fisioterapia Dermatofuncional pela Faculdade CBES de Curitiba-PR  (2009). Graduanda em Biomedicina – Uniavan Balneário Camboriú – SC (2019).