O problema é querermos determinar como as pessoas tem de ser, para depois amá-las.

Idealizar, sonhar e desejar é importante e natural do ser humano. O problema começa quando esse conjunto se torna excessivo e incompatível com a realidade. Assim, passo a amar e admirar o que criei – e depositei, e não o outro. Sofrimento, frustrações, desentendimentos e desgaste nas relações podem indicar uma vivência baseada em expectativas distorcidas do que o outro é. Conhecer verdadeiramente o parceiro é um exercício, pois nos distancia do que é confortável para nós, nos aproxima da realidade e requer adaptação e aceitação, mas nos proporciona relações saudáveis e, principalmente, baseadas na realidade – e não em fantasias. Quando acolho algo que é diferente de mim ou do que eu penso, isso pode me acrescentar e, então, eu cresço. E então, vai começar a amar o outro ou continuar a buscar alguém em quem depositar suas fantasias?

Jéssica Locatelli-Possui graduação em Psicologia (CRP 12/16682) pela Universidade do Vale do Itajaí – UNIVALI. Pós-graduanda em Psicoterapia Cognitivo-Comportamental pelo COGNITIVO – Centro de Psicoterapia Cognitivo-Comportamental, no Rio Grande do Sul.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s